"Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna". João 6, 68














 
                    

Sexta-feira, dia 19 de Maio de 2017

S. Celestino V, papa e eremita, +1296

image Saber mais sobre os Santos do dia


S. Celestino V (Pedro Morrone)

Monge eremita italiano nascido nas proximidades de Morrone, Isernia, que se tornou papa (1294) em substituição ao seu antecessor Nicolau IV (1288-1292), na época inadequado para o cargo por seu excessivo espírito de retidão e humildade e aura de santidade. As lutas entre os Orsini e os Colonna, somadas às epidemias e outros males, afugentaram de Roma os cardeais eleitores. Nascido de uma família de modestos camponeses, viveu por muito tempo como eremita sobre o monte Morrone, daí o seu nome, perto de Sulmona, fundando uma congregação de monges que receberam o nome de celestinos. Afinal, após 27 meses sucessivos de vacância papal após a morte do papa Nicolau IV (1292), com os cristãos pressionados pelas profecias que ameaçavam com castigos divinos se a Igreja permanecesse sem Pastor por mais tempo, o próprio profeta, foi escolhido por unanimidade para papa. Asceta convicto, o velho monge eremita foi trazido de seu retiro, em procissão e sobre uma paramentada montaria, acompanhado pelo rei de Nápoles Carlos II de Anju e seu filho, e coroado em agosto com o nome de Celestino V.  De caráter fraco e submisso e despreparado para o cargo, que aceitara sob o temor de contrariar a vontade de Deus, mudou-se para Nápoles, onde se deixou iludir pelo rei de Nápoles, que indicou a nomeação de 12 cardeais, sete franceses e cinco italianos, e comandou a distribuição de privilégios e cargos. Também, em prejuízo de outras ordens, concedeu inúmeros privilégios aos celestinos, a ponto da ordem ser abolida por seu sucessor. Assustado e consciente de não estar à altura da tarefa a ele confiada, depois de menos de quatro meses abdicou, pressionado especialmente pelo cardeal Benedetto Caetani, que foi eleito seu sucessor com o nome de Bonifácio VIII. Depôs em público consistório, nas mãos de seus eleitores, o elevado encargo e retirou-se humildemente. Seu sucessor, Bonifácio VIII, temendo que o santo e inocente monge, fosse utilizado pelos desordeiros, mandou com alguns de seus frades para o convento de Monte Fumone, o Castelo de Fumone, em Frosinone, onde morreu dois anos depois e foi sepultado em Aquila. Foi canonizado por Clemente V (1313) e é comemorado no dia 19 de maio.







 
©Evangelizo.org 2001-2017